Dores nas costas? Saiba o que pode ser a causa do problema

Postado em 25 de Fevereiro de 2015

Muitas pessoas passam de oito a dez horas do dia no trabalho. Você é uma delas? Seja em pé ou sentado, as dores nas costas acabam aparecendo, não é mesmo? Por isso, o neurocirurgião, Mauricio Mandel, explica as principais causas do problema e como tratá-las.
De acordo com o especialista, o problema que mais atinge os trabalhadores é a lombalgia, que é causado pelo peso em excesso que as pessoas carregam durante o dia.
— Sedentarismo, predisposição genética, má postura, excesso de peso são fatores de risco para a lombalgia.
Dores nas costas são principal causa de incapacidade no mundo
Segundo Mendel, a coluna é responsável pela sustentação e movimentação do corpo e é composta por 33 vértebras. É por ela que passa a medula espinhal, estrutura responsável por ligar o cérebro ao restante do corpo.
— A coluna dá o aporte necessário às demais estruturas do corpo, por isso, é importante manter uma postura adequada no dia a dia e no ambiente de trabalho. Além disso, na maioria das vezes a dor na coluna é causada por vícios posturais que podem ser corrigidos.
No Brasil, dor nas costas é a maior causa de aposentadoria por invalidez
De acordo com Mendel, algumas profissões fazem com que as pessoas se tornem mais suscetíveis às dores nas costas. Profissões como secretária e recepcionista, que trabalham o dia todo sentadas, sobrecarregam a coluna.
— Recomendamos que essas pessoas se policiem e corrijam suas posturas sempre que puderem. Caso as dores continuem a incomodar, a solução é procurar um médico.
Motoristas de ônibus, caminhões e taxistas são os que mais sofrem com problemas na coluna. Segundo o neurocirurgião, a principal dor enfrentada por esses profissionais é a ciática.
— A postura que o profissional mantém dentro do carro acaba pressionando o nervo ciático, e por isso, ele começa sentir uma dor que dá início na região lombar, passa pelas nádegas e vai em direção até o pé. Geralmente, após algum descanso, essa dor se ameniza ou até mesmo desaparece.
Fonte: hnoticias.r7.com